09 janeiro 2013

Plenitude da loucura


Buscando respostas, a loucura já chegou
Os cavalos estão a postos, é dada a largada então.
Mas não é porque todos estamos na merda
Que os porcos reinarão sobre a Terra.

A esperança ainda respira, briga
No seu sorriso que o meu dia ilumina
Palavras que não saem, morrem na praia

Já que é isso o que acha, não terás mais nada
Acabou no começo o mais belo dos desfechos

E quem sabe algum dia, voltamos ao fim do nosso ingresso.
E você que me trata como idiota
Não terá nem uma palavra dessa história
Dedicada a esses 10 minutos de pausa

Em que enrola nesse louco dejavú
Em que se perde e não tem jeito
Porque você não admite
Que essa palhaçada é tão engraçada
Quanto todas aquelas outras sem graça.

E que fazem você chorar de dar risada
E você, na plenitude da loucura,
Admite tudo o que afirmou.

Negando o próprio sonho
E você, na plenitude da loucura,
Insiste em fingir ser quem não é, não vale a pena

*escrito em 04-06-09
Feed
Assine o Feed do Desventuras para acompanhar o blog no seu agregador favorito, ou receba gratuitamente todos os posts por e-mail

Deixe o seu comentário: