13 agosto 2014

Robin Williams (1954 - 2014)

E desde ontem o mundo está..
...um pouco mais triste. Talvez fosse só uma jogada errada no Jumanji, ou um acordar diferente em outro Vietnã, mas o poeta infelizmente, está mesmo morto.

Como pedir algum desejo ao gênio, se não é mais indomável, cedeu, e não sairá mais de sua lâmpada para um desejo qualquer, por mais sincero que fosse?
Uma risada, uma lágrima. A verdade por trás de palavras nunca ditas. O amor imensurável que se disfarça em máscaras engraçadas, a babá mais que perfeita, e que atravessa mundos, sonhos, tudo por um eu te amo.

Como resgatar novos sonhos, como improvisar novas pérolas e o que fazer com a estrela que se apaga?

Mero desvaneio juvenil achar que o show acaba aqui. A obra eternizada na vida daquele garotinho, que pela primeira vez adentrava no mundo do cinema (e que nunca mais queria sair daquela sala), tem como seu primeiro protagonista Robin...que foi Peter, foi Popeye, foi Adrian, foi John, foi Parry, foi Daniel e Doubtfire, foi Alan, foi Doutor, foi Sean, foi Chris, foi literalmente a voz de um gênio e acima de tudo, ser humano.

Entre erros e acertos, mais uma vez a vida prova que o que fica dessa vida são as lições que deixamos e o bem que fazemos. Os personagens citados acima nos ensinam isso e traduzem a obra incomparável desse grande ator que deixa para se apresentar em um palco superior.

Obrigado Robin Williams!
"Você não sabe o que é perder de verdade,
porque isso só ocorre quando você amou algo mais do que a si mesmo."
Feed
Assine o Feed do Desventuras para acompanhar o blog no seu agregador favorito, ou receba gratuitamente todos os posts por e-mail

Deixe o seu comentário: