07 janeiro 2015

O Protetor

Existe atores que valem a audiência...
...mesmo que o resultado final não seja merecedor de prêmios de acadêmia e festivais da elite cinematográfica.

Denzel Washington é um desses atores e assistir ao O Protetor (2014) traz essa certeza. E sabendo que esse filme seria a reunião com o diretor que lhe deu o merecido (mas tardio) Oscar, por Dia de Treinamento (2001), faz com que a atenção seja redobrada.

O roteiro é básico dos filmes de ação: Bob (Denzel) é um cara que parece como mais qualquer um na multidão. Tem um emprego normal, tem uma rotina normal e lê alguns livros por onde passa. Sempre bondoso e disposto a ajudar todos, parece ser o bom samaritano que tão pouco se vê nos dias de hoje.

Nas leituras noturnas que faz na mesma lanchonete todos os dias, fica amigo de Teri  (Chloë Grace Moretz) e quando ele percebe que a garota tem problema por conta de sua profissão, descobrimos que esse pacato homem parece ser muito mais do que aparenta.

E a partir daí vemos uma transformação, que tem como estopim a única e simplória intenção de ajudar alguém que em circunstâncias normais, não teriam ninguém para recorrer.
E ninguém recorre as boa feituras de Bob, que acaba por se tornar esse vigilante urbano.

A intenção com esse filme é a clara intenção de um estúdio desesperado (Sony, invistam em games e devolvam Homem-Aranha para Marvel, por favor!) por criar uma franquia que lhe traga algum lucro, um diretor que tenta e experimenta novas funcionalidades e efeitos com sua câmera (belos ângulos e uma fotografia bacana) e um ator que está se divertindo como nunca.

O Protetor, é um filme com ótimas cenas de ação, mas que são intercaladas por ora boas cenas de descobertas das habilidades desse novo herói que se apresenta, ora por cenas arrastadas com diálogos dispensáveis e quebram todo o ritmo das cenas que importam: as de ação.

Ação essa crua e sem pudor, que remete aos bons filmes dos anos 80 e 90, onde a preocupação era mais em divertir do que ser politicamente correto. E esse é o grande trunfo! Uma violência gratuita, gráfica e bem executada...mas nunca gratuita.
Faltou ao diretor Antoine Fuqua se aprofundar até mesmo em seu protagonista. Mas ao final do filme, entendemos que teremos tempo para isso (até porque, a sequência já foi autorizada pelo estúdio antes mesmo do lançamento desse) e fica claro que o nome de Denzel Washington foi a maior aposta desse filme.

Aposta muito bem feita, mas que poderia ter sido melhor aproveitada, porque qualquer outro ator, teria transformado esse filme no quase desastre que parece ser.

Talvez com um roteiro melhor e com um Fuqua à lá Dia de Treinamento, tenhamos uma grande sequência e uma nova franquia de ação com qualidade.

O primeiro passo foi meio capenga, mas vale a audiência.

obs: o filme é baseado em uma série dos anos 80, mas como nunca ouvi falar dela antes desse filme, cito apenas no final para vocês terem conhecimento.

Trailer:


Ficha Técnica
O Protetor (The Equalizer) - 2014 - 131 min. - EUA - Ação/Policial
Direção: Antoine Fuqua
Roteiro: Richard Wenk
Elenco: Denzel Washington, Marton Csokas, Chloë Grace Moretz, David Harbour, Haley Bennett, Bill Pullman, Melissa Leo
Site Oficial: http://www.sonypictures.com.br/Sony/HotSites/Br/oprotetor/
Feed
Assine o Feed do Desventuras para acompanhar o blog no seu agregador favorito, ou receba gratuitamente todos os posts por e-mail

Deixe o seu comentário: