10 maio 2015

Dia das Mães (2015)

"Amor que não se mede, que não se repete..."
Mas tomo a liberdade de corrigir a poesia,
pois esse amor se repete de forme infinita.
E forma uma história, uma vida...
Que não se gera apenas em nove meses.
Se forma durante um engatinhar, um olhar, uma lágrima,
Se forma em uma palavra, um abraço e um carinho sem hora.
Pois esse amor se repete de maneira ímpar e sem limite.
Se repete sem obrigação, se repete por vocação,
Se repete pela simples necessidade de amar sem medida.
Vocação divina, o mais belo bom que Deus guardou para elas
Anjos que transformam nossas vidas
Anjos que fazem das nossas vidas algo mais fácil e possível.
Guerreiras que com sacrifício, dedicação, paciência e carinho.
Nos transformam em seres humanos mais verdadeiros
e nos fazem entender o que significa essa caminhada,
guiando passos mesmo que não estejam ali do nosso lado.
É um amor sem igual, vida na sua forma mais bruta!
Percebo que de certa forma, realmente a poesia está certa...
...é um amor que não se mede!


Feed
Assine o Feed do Desventuras para acompanhar o blog no seu agregador favorito, ou receba gratuitamente todos os posts por e-mail

Deixe o seu comentário: