14 dezembro 2015

Chuva, Espere

Chuva, minha amiga, espere um pouco.
Não caia assim tão depressa.
Me espere que ao seu encontro irei
Agradecer pessoalmente sua visita essa noite.

Chuva, minha parceira, espere paciente.
Me molhe e leve embora o que de ruim ainda resta.
Não seja assim tão malvada.
E que dessa vez leve embora de uma vez.

Chuva, minha confidente, espere um instante.
Não ouça as lamentações que um dia falei.
Me ouça apenas quando disser coisas boas.
Quando falar de amor, sonhos e esperança.

Chuva, minha musa, espere finalmente.
Me diga que essa noite é nossa e única.
Não me diga que será a última.
Pois te espero novamente para alegrar outra noite.



Feed
Assine o Feed do Desventuras para acompanhar o blog no seu agregador favorito, ou receba gratuitamente todos os posts por e-mail

Deixe o seu comentário: