15 julho 2011

O Combustível

Talvez seja um erro nosso acreditar que as coisas possam durar pra sempre. Talvez, seja o puro egoísmo da natureza humana batendo a porta. Pensamentos vem...pensamentos vão...assim como tudo na vida. Acredito que só damos o verdadeiro valor para a vida quando lhe damos de frente com o único fato inevitável da nossa existência. Infelizmente mesmo assim, alguns não aprenderam essa lição.

O medo da mudança, do desconhecido sempre vai ser algo que talvez os sonhos de serem realizados. Com certeza, porque existe uma diferença muito grande entre “ser realista” e “ser sonhador”. Acho que ainda escolho ser o sonhador, depois de tanto pensar e ter a convicção de que as coisas não acontecem por acaso. Nada, absolutamente nada.

São eles que me movem e tudo de bom que tenho é prova disso!

Entenda: não estou dizendo que nossa vida já está traçado e esse blá blá blá todo. Apenas, não acredito que estou preso a algo que já foi definido por alguém (Deus?). Até porque, acredito que o nosso destino somos nós que fazemos. Lembra do livre arbítrio? Pois é...

Tudo é passageiro, e acaba a nós definirmos o que é pra sempre e o que não é. As mudanças que vivemos são necessárias muitas vezes para o nosso crescimento, a velha necessidade de aprender algo. Infelizmente de alguma forma essa é a única maneira de percebermos nossa humanidade. Perceber que algumas coisas não estão ao nosso alcance e não dependem do que fazer/dizer/ter/querer.

Hoje, tenho a certeza de que devemos aproveitar cada momento como se fosse o último. E que se for o último, que seja de bom proveito. Porra...as melhores coisas acontecem quando a gente menos espera...então pra que se preocupar com o que ainda nem chegou?

Talvez pela sensação de egoísmo em querermos tudo. Mais uma lição aprendida? Com certeza...afinal de contas...o que vale no final é não se arrepender.

Já sei o caminho a seguir.
Feed
Assine o Feed do Desventuras para acompanhar o blog no seu agregador favorito, ou receba gratuitamente todos os posts por e-mail

Deixe o seu comentário: