30 julho 2012

Nem Nome Tenho

Palavras, e eu não entendo nada agora... 
"Não me interessa, não é meu problema..."
Tenho um motivo maior do que essa baboseira
Pessoas com ego maior que a própria vida.

Gentilezas para pessoas idiotas
Enganando pessoas justas e honestas
Só cobrindo cagadas de pessoas sem estrutura
Psicologia barata, esforços jogados no lixo.

E o cansaço já adentrou a porta.
E a marmita, já estragou na bolsa.
E a cerveja, já matou a sede que maltratava.
E só queremos descanso agora.

Cansados das batalhas que desgastam a alma
Cansados das besteiras que ensurdecem a gente
Buscando apenas  a decência de tempos distantes
Tempo perdido, mensurado, escasso, não mais o mesmo.

E com o receio de não ter sido certo
E com o medo de não ter salvado o sincero
E com o saldo devedor (nem nome tenho),
Vivo cada dia como se fosse o último.

Mesmo com a esperança vencida
Vamos em frente, pois um dia,

A coisa muda e a figura não será a mesma
Mesmo com a desgraça, a violência...só ter paciência.

O rock n' roll perneia, é a trilha e assim clareia
Então o fim do túnel já não é tão escuro
Então o fim do mundo já não é tão próximo
E ao olhar pro mundo, verei um futuro

Um ser humano e bem mais que isso.
Pessimismo sendo banido, otimismo revivido

Acordo logo, bem rápido, atraso, mais um dia de trabalho
O sonho é longo, é que quase nulo, mas não desisto, não é um erro.
O sonho é curto, é improvável, por mais que lute, muito difícil
Mas a esperança, querida, nunca foi tão amiga...

*escrito em 05/11/2008
Feed
Assine o Feed do Desventuras para acompanhar o blog no seu agregador favorito, ou receba gratuitamente todos os posts por e-mail

Deixe o seu comentário: