27 abril 2015

Demolidor (1ª Temporada)

Quando tivemos o anúncio...
...da parceira entre Marvel e Netflix, tendo conhecimento de outra série do serviço online, chamada House of Cards (falo dela em breve), mantive as expectativas em alta.

Após o lançamento, no dia 10 de abril de 2015, o mundo nerd ficou alvoroçado, mas consegui, com sucesso, escapar dos spoilers. Valeu o esforço.

Desenvolvida por Drew Goddard, a série conta com 13 episódios que em um arco único contando a história de Matt Murdock e seu início de carreira, tanto como advogado, ao lado do amigo Foggy Nelson , tanto como o Diabo de Hell's Kitchen, que mais tarde seria conhecido como O Demolidor.

Respeitando os fãs dos quadrinhos, e tentando-os fazer com que esqueçam daquele filme lançado em 2003, estrelado por Ben Aflleck, a série da Netflix busca a origem do personagem e nos mostra de uma maneira crua e direta uma Nova York violenta, corrupta e que desperta em Murdock o senso de justiça direcionado na profissão que exerce durante o dia como advogado no bairro que cresceu.

Só que Hell's Kitchen (Cozinha do Inferno) precisa de algo mais que bons advogados dispostos a ajudar a vizinha. Eis que ele decide então, em meio a todos os dilemas morais e religiosos - já que Murdock é católico e lembra disso constantemente - se tornar o Demolidor.

Muito difícil falar da série sem nenhum spoiler, mas não irei estragar a série para aqueles que querem vê-la. Já adianto que nunca uma série de super-heroí foi tão bem embassada na realidade e tão bem produzida quanto está. Até mesmo para aqueles que não conhecem o personagem, irão aceitar a idéia de que o protagonista, cego desde criança por conta de um acidente, onde já mostra a vocação para ser herói, é uma pessoa como qualquer um de nós, é muito verrossímil.

E as cargas de drama que a história carrega são muito bem distribuidas durante a temporada e entregam influências do atual momento dos super-herois no cinema e na TV, empassadas em uma pseudo realidade que nos coloca nesse mundo, sem estranza alguma. Mas também mostram uma identidade única. Claro que isso iria se perder se a qualidade do elenco não correspondesse à ideia de criar algo único.
Charlie Cox (que lembrei de ter feito Stardust, com Robert de Niro, que é...deixa pra lá) é um Matt Murdock/Demolidor muito convicente. Em ambas as facetas do personagem, Cox convence e mostra que a escolha foi muito acertada. Completando o trio principal, temos Deborah Ann Woll (que você deve ter visto em True Blood - que quando era boa, falei aqui), manda bem como Karen Page e Elden Henson (que você deve ter visto ele no excelente Efeito Borboleta) como Foggy Nelson, faz o contraponto bacana no meio dos dois "pertubados". A dinâmica entre eles segura muitas cenas que poderiam soar cansativas sem esse entrosamento bacana.

Como uma trama muito bem amarrada, se por algum momento você se esquecer que está vendo uma série baseada em uma HQ, não se assuste. Esse é um dos vários trunfos da série.

Mas não só o trio principal se destaca. Rosario Dawson (que você com certeza lembra de Sin City), interpreta muito bem Claire Temple, enfermeira que se torna amiga de nosso herói durante a trama, e uma importante aliada. Vondie Curtis-Hall, como Ben Urich, repórter de um jornal de NY e que também é um aliado importante de nossos heróis. E no escritório dele temos alguns dos vários easter eggs mais bacanas da série.

Confesso que peguei apenas aquele ligados diretamente aos universo Marvel nos cinemas, mas tem muita coisa dos quadrinhos ali e isso é feito de uma maneira bacana demais, pois agrada a todos: os fanboys e os que apenas querem ver algo com qualidade.

Agora o poder maior da série, está na apresentação de seus vilões. Bob Gunton, como Leland Owlsley, é aquele tipíco personagem que você sente raiva na primeira cena. E descobri depois do final da série que ele é um dos vilões dos quadrinhos chamado O Coruja. Toby Leonard Moore, como James Wesley é um dos destaques, com seu jeito polído e educado demais, mas que guarda a mesma crueldade que seu empregador. Ayelet Zurer, como Vanessa Marianna, o interesse amoroso do vilão principal desse arco de primeiro ano, que também manda muito bem.
Vincent D'Onofrio, Rosario Dawson, Charlie Cox, Deborah Ann Woll, Elden Henson
Agora, temos o personagem que é o destaque da série durante todos os episódios. Temos vilões e vilões, mas a interpretação poderosa de Vincent D'Onofrio como Wilson Fisk/Rei do Crime é o ponto alto da série. É incrível como em alguns momentos, entendemos as motivações daquele que é um dia vai ser um dos maiores vilões do universo Marvel e até simpatizamos por ele. Seguramente, junto com Loki, Wilson Fisk entra para o quadro de melhores vilões que a Marvel criou em seu universo unificado de TV e cinema.

Gostaria de destacar também a participação de Scott Glenn, como Stick, mentor do nosso herói e que ensina como controlar a sua nova condição e as suas habilidades para a sua missão.

Em resumo, Demolidor é uma série que veio com um proposito muito claro: ser um marco. E a missão foi cumprida com sucesso. Temos sim alguns pontos falhos e alguns momentos arrastados durante alguns episódios, mas isso tudo se mostra parte de um cenário maior, e se faz necessário. As peças todas se encaixam e trabalham a serviço de uma temporada que realmente mostrou que a melhor coisa que a Marvel fez foi partir para o lado sombrio e mais realista. E o acerto foi justo e completo, muito também pelo fato de não se esquecer de onde veio, e para onde irá.

Agora é esperar agora pelo segundo ano e se você não assistiu ainda, te digo que vale a assinatura do Netflix para poder conferir essa série.

Trailer:


Ficha Técnica
Demolidor (Marvel's DareDevil) - 2015 - 52 min. (episódio) - EUA - Drama/Ação/Polícia/Fantasia
Direção: Vários
Roteiro: Vários
Elenco: Charlie Cox, Elden Henson, Deborah Ann Woll, Rosario Dawson, Vincent D'Onofrio, Vondie Curtis-Hall, Scott Glenn, Bob Gunton, Toby Leonard Moore, Ayelet Zurer
Site Oficial: http://www.netflix.com/WiMovie/80018294?locale=pt-BR
Feed
Assine o Feed do Desventuras para acompanhar o blog no seu agregador favorito, ou receba gratuitamente todos os posts por e-mail

Deixe o seu comentário: